quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

ENTREGUISMO DE ALCÂNTARA

Governo Temer assume negociação da base Alcântara com os EUA

Para Serra, esta é uma das primeiras providências nas relações com o novo presidente americano, Donald Trump.

Matéria publicada em 
Serra confirmou que oferecerá aos americanos um acordo sobre a estratégica base de Alcântara (MA). / Reprodução
O Planalto resolveu escancarar o entreguismo. José Serra, Ministro das Relações Exteriores, confirmou que oferecerá aos americanos um acordo. Segundo ele, esta é uma das primeiras providências nas relações com o novo presidente Americano, Donald Trump. A administração de Michel Temer assumiu que já prepara a minuta do contrato a ser apresentado aos americanos. A ideia é oferecer a eles acesso a centro de lançamento —cobiçado por sua posição estratégica junto à Linha do Equador— para poder, em troca, usar os equipamentos fabricados pelos potenciais parceiros. Devido à ameaça à soberania e às poucas garantias à indústria nacional, o acordo havia sido enterrado pelo governo Lula ainda em seu primeiro mandato. 
As informações são de reportagem de Eliane Oliveira, Gabriela Valente e Roberto Maltchik em O Globo.
"- Vamos tomar a iniciativa de propor a reabertura de negociação em torno de vários acordos e tratados que não se concretizaram. Um deles se refere à base de Alcântara. O assunto foi muito debatido no passado e, agora, vamos tentar uma parceria — revelou Serra.
O uso dos modernos sistemas espaciais dos Estados Unidos, jamais obtidos pela indústria nacional, porém, não significará transferência tecnológica ao setor privado brasileiro. Pelo contrário: para que a negociação avance, o Brasil terá que aprovar uma lei que indique de forma técnica e pormenorizada a proteção que será dada a todo componente tecnológico manipulado em solo brasileiro. Se parte das exigências dos EUA forem alteradas pelos parlamentares do Brasil, e as mesmas forem consideradas insatisfatórias pelos congressistas americanos, não tem negócio."

ALCÂNTARA DEPOIS DE ARAKÉM

Alcântara depois de Arakém
O que a nova administração do município mais cobiçado pelos EUA poderá estar fazendo para explorar o seu potencial de desenvolvimento perdido na história da economia local
Battista Soarez
Jornalista, escritor e consultor institucional. Especialista em Marketing de Mercado Globalizado (UCAM/RJ), o autor é coordenador do curso de pós-graduação em Políticas Públicas, do Instituto Daniel de La Touche, em São Luís-MA.

Alcântara faz parte da região metropolitana de São Luís.
Nos últimos anos, o município de Alcântara, região metropolitana de São Luís, capital do Maranhão, tem sofrido maus-tratos por parte de gestores descompromissados que pensam somente no seu próprio conforto econômico e dos seus aliados políticos. O prefeito anterior da cidade, Domingos Arakém, que deixou a prefeitura no final de 2016, cometeu atos administrativos fraudulentos, os quais colocaram a prefeitura num lastro de sucateamento das políticas públicas. Tanto é que o atual gestor municipal, Anderson Wilker, tem tido dificuldade em por as coisas em ordem, dado o nível de bagunça em que os órgãos municipais se encontravam.
Mas, vale dizer, Alcântara tem potencialidades evidentes que colocam o município em um posicionamento favorável em relação às leis da economia de mercado. Todavia, os gestores, míopes administrativamente, não conseguem visualizar essas potencialidades econômicas do município, o qual já foi um grande centro de economia rural, modelo para o Brasil e para o mundo.
Uma memória arquitetônica vigiada pelo IPHAN.
Se, a partir de agora, o novo governo municipal colocar em debate a participação de Alcântara no livre-comércio do Maranhão, do Brasil e do mundo, não há dúvida de que, em pouco tempo, a economia do município estará em alta. Isto porque Alcântara, em termos de estratégia geográfica, de produção e de distribuição, tem todas as condições de voltar a ser um dos maiores centros de economia, inclusive rural, do Maranhão e, consequentemente, uma das economias mais desenvolvidas e poderosas da América Latina.
É sintomático, no aspecto positivo, que se houver, e logo, um debate econômico no Maranhão colocando Alcântara como um dos principais centros econômicos do Estado, não somente o município terá ganhos surpreendentes, em termos de desenvolvimento, mas, também, o Maranhão será favorecido com isso e até outras regiões do Estado ganharão visibilidade.
As ruas da cidade são, ainda, dos séculos XVII e XIII.
Alcântara, no entanto, parou no tempo. O município já foi, como dito acima, um grande centro de produção agrícola, com potencial de exportação para todo o Brasil e para o mundo. Hoje, a contraponto, a cidade não passa de uma velharia de ruínas que não trazem nenhuma contribuição para o desenvolvimento e, principalmente com a política preservacionista do IPHAN, a população ficou condenada a ficar fora do desenvolvimento urbano de que toda civilização moderna tem direito.
É importante considerar que as economias desenvolvidas apresentam imensas vantagens estruturais em relação à economia brasileira. Segundo especialistas em desenvolvimento, essas vantagens não poderão ser superadas num horizonte visível. No campo macroeconômico, diversas circunstâncias relativas à chamada competitividade sistêmica — sistema tributário injusto, escassez de crédito, custos financeiros elevados, fraquezas dos mercados de capitais domésticos, deficiências de infraestrutura, etc. — colocam as empresas brasileiras em desvantagem na disputa por mercados internos e externos.
A igreja do Carmo preserva a história religiosa do lugar.
Isso, associado à corrupção [política, econômica, social, jurídica, etc.], afeta drasticamente os municípios. Em razão dessas assimetrias sistêmicas, a maioria das empresas brasileiras não pode enfrentar a concorrência das empresas dos países desenvolvidos, por exemplo. Em razão disso, esses países desenvolvidos se acham no direito [e têm facilidades] de explorar a riqueza do país, inclusive em regiões importantes dos estados do Pará e do Maranhão.
Em face desta problemática, há dificuldades fundamentais no plano microeconômico. As empresas dos Estados Unidos e de outros países desenvolvidos são muito superiores às brasileiras em termos de escala de produção, tecnologia, organização, acesso a crédito e capital, redes de comercialização, marcas e outros aspectos importantes. Mas isso é um problema de mentalidade dos governantes brasileiros, e não de falta de recursos.
As ruínas da igreja de São Matias.
Diante dessa ineficiência do governo brasileiro, os EUA têm interesses em Alcântara. Aliás, Alcântara é o único município brasileiro que, no atual momento de nossa história social, é interessante para os americanos, exatamente por causa das diversas potencialidades que ele tem, e não apenas pelo fato de ser uma área estratégica para lançamento de foguetes espaciais. E se o governo brasileiro não cuidar o mais cedo possível, em breve Alcântara estará sendo o portal de entrada dos EUA no Brasil, onde eles, os americanos, estarão impondo suas condições e seus interesses altamente cobiçosos.

Local onde fica o Centro de Lançamento de Alcântara.
No lume desse quadro de realidade, o atual prefeito de Alcântara, o jovem Anderson Wilker, tem demonstrado muita vontade política de colocar o município no portal do desenvolvimento socioeconômico do país e do mundo, o que não será difícil se ele e sua equipe técnica buscarem relacionamentos e oportunidades em nível de estrutura política, social e econômica, contemplando todos os setores da administração municipal. Uma espécie de inteligência administrativa, portanto, precisa funcionar continuamente em termos de reengenharia de projetos estruturantes que possam, por meio de parcerias com instituições financeiras nacionais e estrangeiras, estar gerando mecanismos de produção e de relações comerciais potencialmente produtivas e focadas no crescimento da economia do município alcantarense.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

ACIDENTE NO MARANHÃO

Policial perde o controle e capota viatura da PM-MA na BR-135

Acidente foi registrado nesta terça (31) entre a Vila 2000 e Rio Grande.
Dois policiais militares estavam na viatura no momento do acidente.




Policiais Militares ficaram presos nas ferragens e precisaram de resgate na BR-135 (Foto: Divulgação/PRF)

















Uma viatura da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) capotou e derrubou um poste de iluminação pública após condutor perder controle do veículo na BR-135 no início da tarde desta terça-feira (31). Os dois policiais que ocupavam o veículo ficaram feridos.

De acordo com a equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que atendeu o acidente, o veículo se deslocava da capital maranhense para o interior, quando o condutor perdeu o controle do veículo e capotou. Os dois policiais foram levados ao hospital. No momento do acidente, que aconteceu entre a Vila 2000 e Rio Grande, chovia muito.
Viatura acabou derrubando um poste de iluminação pública depois de capotar na BR-135 (Foto: Divulgação/PRF)Viatura acabou derrubando um poste de iluminação pública  (Foto: Divulgação/PRF)

As fortes chuvas que caíram nesta terça-feira (30) a partir das 10h30 na Ilha de São Luís contribuíram para a ocorrência de ao menos três acidentes no trecho principal da BR 135. Uma das ocorrências foi no Campo de Peris e outra no acesso Itaqui - Bacanga.

Até a publicação desta matéria, a Secretaria de Segurança Pública não informou o estado de saúde dos policiais feridos.
Fonte: G1/Maranhão

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Entrevista: ISABELA MARIA BARROS CABRAL DE LIMA


Educação profissional com qualidade
Ex-delegada do MEC no Maranhão diz que criou instituto para melhorar índices educacionais no Estado.
Por Battista Soarez
Editor/Jornal Itaqui-Bacanga

Professora ISABELA DE LIMA ao lado esposo Luís Francisco de Lima
Há dez anos, a pedagoga Isabela Maria Barros Cabral de Lima, 58, decidiu por o pé na estrada como gestora da educação, na capital maranhense. Mestra em Ciência da Educação e doutoranda na mesma área, a ex-delegada do MEC no Maranhão resolveu criar, em 2006, o Instituto Daniel de La Touche (IDLT). “O IDLT é uma instituição de ensino genuinamente maranhense. Foi criado por um grupo de educadores preocupados em elevar a qualidade do ensino e a melhoria dos índices educacionais no Estado. É uma instituição que trabalha de forma inovadora, estratégica e pragmática”, assevera ela. Funcionária há anos da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), a professora Isabela foi Diretora de Administração do CEFET–MA (Instituto Federal do Maranhão). Casada com Luís Francisco Aranha de Lima, mãe de dois filhos, Lucas Cabral Aranha de Lima e Matheus Cabral Aranha de Lima, e avó do pequeno Davi Aranha Rodrigues, a diretora e proprietária do Instituto Daniel de La Touche, deu ao Jornal Itaqui-Bacanga a entrevista a seguir, na qual destaca que a maior preocupação com a educação hoje é a qualidade.
Jornal Itaqui-Bacanga — Como educadora, a senhora vem de uma longa experiência no universo da educação. O que a motivou e como nasceu a ideia de criar o Instituto Daniel de La Touche?
Isabela Maria B. C. de Lima  A ideia do Instituto Daniel de La Touche nasceu em virtude de eu ser educadora e por querer dar a minha contribuição para o meu Estado no sentido de oferecer serviços educacionais com excelência, com a finalidade de contribuir na formação de profissionais críticos e que tenham atuação diferenciada e inovadora, como também em elevar a qualidade do ensino e a melhoria dos índices educacionais, visando assim o desenvolvimento pessoal e melhora da qualidade de vida da sociedade maranhense.
JIB — E como andam esses índices?
Isabela Tecnicamente, as estatísticas apontam baixo índices, embora as escolas estejam fazendo a sua parte. Mesmo assim, a maioria dos alunos tem muita dificuldade em interpretar e escrever um texto.

JIB — A especialidade do Instituto Daniel de La Touche é o ensino profissionalizante. Quais as principais áreas que o instituto, atualmente, oferece ao público?
Isabela  Nós atuamos, basicamente,em todas as áreas do conhecimento.  Tais como áreas de saúde, educação, social, tecnológica e outras. Todas as informações dos cursos estão no endereço eletrônico da instituição, no site: www.idt.com.br.
JIB — O mercado tem sido favorável na absorção dos profissionais que o Instituto tem formado?
Isabela  O mercado é favorável, mas, atualmente, com o advento da crise, está havendo muito desemprego. Então, antes de iniciar um curso,fazemos uma pesquisa de demanda de mercado, para conhecer a realidade desse mercado. De modo que os nossos cursos realmente são áreas que o mercado precisa. Mas não está sendo fácil enfrentar essa crise de desemprego que está ocorrendo hoje no Brasil.
JIB — Além de São Luís, o Instituto está presente em outros Municípios? Quais?
Isabela — Não. Atualmente, só estamos ofertando cursos em São Luís. Não estamos outras localidades.
JIB — Por que não? A senhora não tem pretensão de estender esse serviço para outros municípios?
Isabela  Temos interesse sim, porém esse não é o momento mais apropriado por conta dessa crise que estamos vivenciando.  Desta forma, é mais prudente aguardar e não partir para expansão. No entanto, não descartamos a possibilidade de, no futuro,estarmos em outras localidades expandindo os nossos serviços à população maranhense.
JIB — A opção de ofertar os Cursos de Formação de Aquaviários se deu em razão de que? Como tem sido essa experiência?
Isabela — A opção se de em razão da necessidade do mercado e depois de fazermos uma avaliação de que seria viável trabalharmos nessa dição. E a experiência tem sido louvável.Veja, ofertamos os cursos de Moço de Máquinas, Moço de Convés, Taifeiro, Cozinheiro, Enfermeiro e Auxiliar em Saúde. Tem sido uma experiência muito interessante.
JIB — Na questão estágio, como é que a senhora tem feito? Que categoria de empresas, órgãos ou instituições que a senhora tem feito parceria para capacitar profissionalmente os alunos formados no Instituto Daniel de La Touche?
Isabela  Os cursos de Formação de Aquaviários têm oito meses de duração, sendo seis meses de aulas teóricas e dois meses de aulas práticas. Para que aconteçam os estágios, firmamos convênios com empresas marítimas do Estado.
JIB — Em 2016,a senhora teve um avanço significativo e acabou de formar três turmas de formação de Aquaviarios. Quais são os planos para 2017?

Isabela — Estamos empenhados em iniciar,em 2017,um trabalho para atender a população carente da Ilhinha, oferecendo serviços médicos e exames de rotinas. Essa iniciativa é para que os nossos alunos da área da saúde possam ter no espaço escolar,ao mesmo tempo,a teoria e a prática. Desta forma, na Clínica Escola, o nosso objetivo é que os nossos alunos possam ter na própria escola a sua prática supervisionada mais solidificada.

sábado, 7 de janeiro de 2017

VEREADOR MIGUEL ÂNGELO (PRP), DO PAÇO DO LUMIAR

Vereador de Paço do Lumiar
faz visita de reconhecimento
Demonstrando vontade política, Miguel Ângelo (PRP) reúne com gestores de três secretarias e vai a comunidades logo nos primeiros dias de mandato.

Por Battista Soarez
Editor/Jornal Itaqui-Bacanga

Ver. Miguel Ângelo (centro) foi recebido por Tiago  de Azevedo (à direita), da SENDS.
Logo na primeira semana em que assumiu o cargo no legislativo municipal de Paço do Lumiar, o vereador Miguel Ângelo (PRP) fez visita de identificação de causa em três secretarias municipais e, ainda, em comunidades da região para desenvolver o seu plano de ação parlamentar. Ontem, quinta-feira, 5, o parlamentar esteve nas secretarias da Saúde, da Educação e do Desenvolvimento Social, onde teve  a oportunidade de discutir com os gestores daqueles órgãos as políticas públicas municipais que possam ser implementadas a partir de requerimentos e indicações do seu gabinete. “Minha prioridade estará voltada sempre para ações emergentes junto à comunidade necessitada. Saúde, educação e assistência são as principais que é onde o povo mais sofre”, observa Miguel.
Miguel Ângelo e Ana Coeli (da Educação).
Pela manhã, o vereador foi recebido por Ana Coeli Fontoura, secretária-adjunta da Educação, Tiago de Azevedo, secretário-adjunto do Desenvolvimento Social, e pelo médico infectologista Raimundo Cutrim, secretário de Saúde do município. Segundo o vereador, essa visita de reconhecimento de causa tem três principais finalidades. A primeira é saber da existência de ações que poderão estar sendo implementadas. A segunda é conhecer os gestores das referidas secretarias, ouvi-los e saber o que eles pensam e como pretendem desenvolver suas atividades. E a terceira é estabelecer relações de parceria com os órgãos que compõem a estrutura da prefeitura municipal para que seu gabinete possa estar recebendo informações referentes às políticas de trabalho para, então, serem transformações em leis, requerimentos e indicações pertinentes às ações das políticas públicas do município.
“Parabenizo o prefeito Domingos Dutra (PCdoB) por ter escolhido pessoas com capacidade técnica para desenvolver suas funções de maneira efetiva e com espírito de coletividade. É muito importante ter nomes de referência na atividade profissional e com experiência para compor a administração publica”, destaca o vereador.

Dr. Raimundo Cutrim (Saúde) e Miguel Ângelo.
As visitas junto às comunidades que vêm ocorrendo mesmo antes de o vereador assumir ao cargo demonstram que Miguel Ângelo está efetivamente empenhado nas ações públicas do município, num evidente empenho de atender às expectativas da população que acreditaram no seu nome para compor o legislativo municipal. “Eu sou povo. E venho para trabalhar com o povo e pelo povo”, afirma Miguel, que, inclusive, já tem três projetos para serem apresentados à Câmara Municipal de Paço do Lumiar, ainda no primeiro semestre de 2017. Um na área da cultura, outro na área da produção agrícola e o outro voltado para a geração de ocupação e renda nos setores de indústria e comércio. “Sempre me preocupei com o bem-estar das pessoas. E agora que fui eleito a vereador, é a vez de eu trabalhar com muito mais desprendimento e altruísmo junto à comunidade de todo o município do Paço”, concluiu o parlamentar.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

ENTREVISTA: MILGUEL ÂNGELO



“Fui eleito para ‘ver-a-dor’ da comunidade”
Vereador eleito em Paço do Lumiar diz que o município tem muitos problemas, mas que há caminhos para resolvê-los.


Por BATTISTA SOAREZ
Editor/JIB

Miguel Ângelo foi eleito usando estratégia de marketing de rede.
O vereador eleito Miguel Ângelo (PRP), 52, do município de Paço do Lumiar, é um técnico administrativo que sempre participou de movimentos comunitários. Membro da Academia de Letras de Paço do Lumiar, Miguel é evangélico e ativista social reconhecido nas comunidades onde tem atuado. Suplente de vereador, fundou o GTC (Grupo de Trabalho e Conquista), um movimento social que busca discutir as políticas públicas para o desenvolvimento de Paço do Lumiar. Foi o GTC que o ajudou a desenvolver uma estratégia de marketing de rede que ele denominou de células. As células funcionaram interativamente e renderam ao ativista social quase setecentos votos. “Quebramos alguns paradigmas da política tradicional e decidimos investir em relacionamento, acreditando no voto livre e nos colocando à disposição da consciência do eleitorado luminense. Quem votou em mim, votou porque acreditou no meu projeto de ação parlamentar. Não dei dinheiro a ninguém”, disse Miguel. Casado, pai de dois filhos e avô de duas netas, o vereador eleito concedeu ao Jornal Itaqui-Bacanga a seguinte entrevista:
Jornal Itaqui-Bacanga O senhor foi eleito sem gastar praticamente nada, contrariando a tendência viciosa da política atual de compra de votos. Dá pra dizer qual foi a saga?
Miguel Ângelo A saga foi planejamento, conhecimento de causa, respeito e aproximação às pessoas de uma forma que lhes gerasse satisfação e credibilidade na minha pessoa. Reuni meus pares e decidi fazer uma campanha limpa, saudável e sem risco de, depois, ter que passar pela vergonha de ser denunciado por compra de votos ou qualquer outra coisa desse tipo. Eu já tenho, efetivamente, uma história de serviços comunitários prestados junto à população. Isto me deu condições de dialogar com a opinião pública, me colocando em certa posição favorável. Então, procurei investir em relacionamento com essa comunidade, no sentido de conscientizá-la do voto livre, da democracia plena e da importância de minha candidatura para, numa possibilidade de ser eleito, efetivar e ampliar ainda mais esse serviço sócio-comunitário que, há tempos, já faço naturalmente, mesmo sem cargo público. As pessoas entenderam isso e o resultado está aí.
JIB Durante a campanha de 2016, você pontuou no seu discurso que o seu plano de ação parlamentar seguiria um formato pautado exatamente nos quatro pilares do que um vereador pode fazer na Câmara Municipal, que são as funções legislativa, fiscalizadora, julgadora e a de assessoramento ao executivo. Na prática, como vai ser isso?
MIGUEL — Veja: a maioria das pessoas que se colocam como candidatas ao cargo de vereador sequer procura saber qual é, de fato, o papel de um vereador. Aí, ficam fazendo promessas mirabolantes que fogem completamente do universo de sua competência. Depois de eleitas, não conseguem cumprir o que prometeram e, então, ficam desacreditadas perante os eleitores. Foi aí que eu tive a ideia de divulgar uma carta-proposta contendo as funções estabelecidas por lei do que um vereador pode fazer. Estas funções, como você disse, são: a função legislativa, a função fiscalizadora, a função julgadora e a função de assessoramento ao executivo. Na prática, todas as atividades do meu plano de ação parlamentar estarão pautadas nestas diretrizes. Não fiz nenhuma proposta fantasiosa.
JIB E então...?
MIGUEL Não dei dinheiro a ninguém. Os votos que tive foram votos conscientes, votos livres. Foram votos de pessoas que entenderam que o papel do vereador é de poder legislativo e, portanto, não pode ser confundido com o papel de poder executivo. Eu costumo brincar dizendo que o papel de um vereador é “ver-a-dor”. É uma maneira simples de dizer que o vereador tem a missão e a responsabilidade de trabalhar a partir das necessidades da comunidade que acreditou nele e o elegeu para atuar a seu favor. Este vai ser o meu papel: trabalhar para mitigar a dor da sociedade. Vamos caminhar pelas comunidades, colher informações, estudar caso a caso, escrever o plano de ação parlamentar e a partir daí construir projetos e atividades legislativas de acordo com as necessidades do município.
JIB Mas o seu candidato a prefeito de Paço do Lumiar, Gilberto Aroso, não foi eleito. Como o senhor avalia a eleição de Domingos Dutra (PT) para prefeito? O senhor vai ser oposição ou já há alguma conversa articulada em prol da situação a partir de janeiro de 2017?
MIGUEL Domingos Dutra fez o famoso projeto “formiguinha”. Ou seja, a metodologia da divulgação do seu nome foi ao encontro dos anseios da população sem ele fazer propostas que jamais pudesse honrar e cumprir. Como ex-deputado, ele trabalhou exatamente em cima das necessidades reais das pessoas. Em nosso município de Paço do Lumiar, vivemos uma realidade bem complicada em termos políticos porque os nomes apresentados para escolha por parte da população já estavam de certa forma viciados. Falo de pessoas que foram eleitas, tiveram suas oportunidades, mas que as desperdiçaram sem avaliação do seu futuro político. Uns fizeram alianças erradas e não tiveram fôlego para governar com autonomia. Outros pensaram apenas em si mesmos, no seu patrimônio pessoal e em fazer a vontade do seu grupo político, deixando a administração pública esfacelada e decadente. Havia um fato ou outro que, de alguma maneira, prejudicou as suas imagens. Aí a população reagiu, rejeitando seus nomes nas urnas.
JIB O senhor fala das recentes histórias de corrupção no município?
MIGUEL A história do município de Paço do Lumiar conta que nunca houve reeleição de prefeito. Por que? Porque ultimamente os prefeitos daqui, realmente, têm deixado muito a desejar. Seu comportamento político é ruim. O Dutra, então, veio percebendo isso e foi trabalhando exatamente encima dessas falhas da administração pública municipal. Aos poucos, com sua experiência de parlamentar de renome, defensor das causas sociais, foi conquistando o espaço que teve e, diante disso, a “coisa” política de fato ficou difícil para os outros candidatos. Acho que sua vitória foi devida à sua insistência, limada encima do anseio e da esperança do povo. Um povo que vem sendo, historicamente, esgotado e decepcionado com os políticos que passaram pela administração municipal. Como ex-deputado federal, detentor de um bom histórico da vida pública, o Dutra tem uma boa relação de amizade política no contexto nacional e acredito que o município de Paço do Lumiar será beneficiado com isso.
JIB Mas, e aí? O senhor será oposição ou pró-situação?
MIGUEL Antes de tudo, lamento o fato de o candidato que a minha coligação apoiou, o Gilberto Aroso, não ter ganhado as eleições para prefeito, haja vista que tínhamos traçado planos. Tínhamos uma meta de trabalho a ser cumprida que, com sua derrota, não vai ser possível. Porém, não vejo nenhuma possibilidade de fazer oposição a Domingos Dutra. Ele será o prefeito a partir de janeiro de 2017 e o bem da comunidade de Paço do Lumiar está acima de qualquer coisa. Isso dependerá de uma boa administração das políticas públicas. E para que essa boa administração pública aconteça, a Câmara Municipal terá que fazer, com ausência de embaraço, o seu papel de assessoramento ao executivo. E mesmo os que forem oposição, têm que pensar na comunidade.
JIB O senhor acha que isso é possível?
MIGUEL Entendo que oposição não pode ser sinônimo de desordem partidária. Em vez disso, tem-se que ter bom senso e pensar no bem da população. Vamos ver e analisar o plano de governo do Dutra e naquilo que for para o bem da população eu darei apoio. Naquilo que, porventura, for prejudicar a comunidade, eu estarei do lado da comunidade. Tenho acompanhado a equipe de transição do futuro prefeito, vejo que ele tem bons planos para desenvolver o município e acredito que podemos fazer um excelente trabalho de assessoramento a ele. Falo isso não só de minha parte, mas falo em nome do grupo de vereadores que vai trabalhar em apoio a ele. Temos conversado bastante e a proposta consensual é de que, de forma alguma, seremos oposição ao Dutra.
JIB O senhor teve uma boa votação no Maiobão e Lima Verde, sendo o segundo mais votado da sua coligação. O que a comunidade que apostou no seu nome pode esperar do vereador Miguel para os próximos quatro anos?
MIGUEL Eu me preparei bastante para ser vereador. Procurei conhecer as necessidades do município e levei minha proposta às comunidades. Quem entendeu esta proposta, votou em mim. E esta é a oportunidade que tenho para fazer o trabalho de intermediação entre a administração pública e a população do meu município. A comunidade que acreditou em mim pode, com certeza, esperar um trabalho voltado para o desenvolvimento do município nas áreas da economia, do social, da saúde, da cultura, do agro-desenvolvimento, do esporte e do lazer. Já para 2017, tenho três projetos de lei que vão beneficiar a cultura e a economia rural. Eu e minha equipe estaremos colhendo informações, ouvindo as pessoas da comunidade luminense para, então, transformar essas informações em atividades do nosso plano de ação.
JIB Por falar em desenvolvimento, Paço do Lumiar é um município muito carente em matéria de crescimento econômico e social. Qual vai ser a sua contribuição na Câmara para mudar essa realidade?
MIGUEL Primeiramente, levantar dados acerca das necessidades e das potencialidades do município. Depois discutir essas necessidades e potencialidades no plenário da Câmara e, também, junto à comunidade, tanto in loco como através dos meios de comunicação. A partir daí, vamos sentar com o executivo para estudar o que pode ser feito, com que recurso e qual o cronograma que deve ser elaborado a partir de uma política efetiva de execução. Creio que o executivo municipal terá maturidade e competência suficientes para, no que não for possível fazer com recursos da prefeitura, buscar parcerias com o governo estadual, governo federal e até com instituições internacionais, se for o caso.
JIB Você acha que vai ser simples assim?
MIGUEL Simples não vai ser. Em matéria de governo, nada é simples. Mas se houver vontade política, transparência e entendimento entre os poderes legislativo, executivo e a população, será possível, sim, emplacar um desenvolvimento que seja satisfatório e equilibrado. Paço do Lumiar tem muitos problemas, mas também têm muitas maneiras e caminhos de resolvê-los. Basta que se tenha vontade política.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

ELEIÇÕES 2016: SÃO LUÍS-MA

Senhores candidatos!
Por BATTISTA SOAREZ
(Jornal Itaqui-Bacanga)

As eleições de 2016 estão na reta final. Dia 02 de outubro, em que os eleitores irão às urnas, será no domingo da próxima semana e a população ainda tem muitas dúvidas no que tange às propostas políticas apresentadas. Por outro lado, muitos candidatos nem apresentaram proposta nenhuma até agora e, pelo visto, nem vão apresentar. Por que será?
Candidatos a prefeito de São Luís apresentam propostas de pouca consistência.
É que as propostas dos candidatos precisam ser mais consistentes quanto à lógica política. As propostas dos candidatos a prefeito, por exemplo, estão carregadas de ansiedade e, por isso, algumas delas estão confusas. Há candidatos que, por falta de proposta e de inteligência política, ficam batendo no outro candidato e, com isso, perdem votos porque caem na antipatia do eleitor. Foi o que ocorreu com alguns candidatos que, em vez de apresentarem seu plano de governo, ficaram batendo no prefeito Edivaldo Holanda Jr. Caíram na antipatia do povo e, consequentemente, nas pesquisas de intenção de voto.
Os candidatos a vereador, na sua maioria, estão sem proposta porque muitos estão mesmo é interessados apenas no salário que vão receber caso sejam eleitos ao cargo. A grande maioria nem sabe, de fato, qual é a função de um vereador na Câmara Municipal. Isto se deve à falta de leitura. Estamos vivendo numa sociedade em que não se ler mais. Uma sociedade que não tem o hábito de ler e que, por isso, não tem cultura intelectual. Portanto, não tem proposta.
Diante de um cenário social em que não se acredita mais em política, quase todos os candidatos a vereador rezam a mesma frase em tom de mediocridade: “vou lutar por mais educação e saúde...”. Outros apenas invertem as palavras: “vou lutar por mais saúde e educação...”. Falam isso para uma sociedade que, há séculos, sofre com a falta de saúde e educação, apesar de tantas promessas a cada campanha eleitoral. Não dá para se acreditar mais em promessas aleatórias e sem consistência.
No parlamento municipal, os candidatos a vereador têm de saber, pelo menos, o que vão fazer depois de eleitos. Em vez de ficarem prometendo o que não é de sua competência, precisam entender que suas funções são apenas quatro: função legislativa, função fiscalizadora, função de assessoramento ao Executivo municipal e função julgadora.
A verdade é que candidato sem educação, que não tem leitura, não tem visão de mundo e nem visão de sociedade. Portanto, não vai saber lutar por educação. Quem não lê não tem ideologia. E quem não tem ideologia, também não tem proposta política para melhoria da sociedade e muito menos para mudança da realidade social.
Pensando na política em âmbito geral, principalmente no que concerne à conjuntura administrativa, lembramos que antigamente se pensava na política como um campo autônomo de atividade e, por este leque, a administração da economia era considerada uma das tarefas mais importantes do governo, quer fosse ele federal, regional ou municipal. Atualmente, entretanto, a mobilidade do capital significa que os governos só podem influenciar a economia doméstica pelo controle da inflação e pela tentativa de facilitar a competitividade de empresas sediadas no local através de medidas tomadas do lado da oferta.
Isto é um fato no qual o futuro prefeito de São Luís tem que pensar. Numa breve análise política, entende-se que a política tem de fazer as pazes com as consequências desta mudança, e o resultado é que há grandes divergências de pontos de vista a respeito do significado dos impactos sociais ocorridos na esteira da ação política.
Durante quatro anos, o prefeito Edivaldo Holanda Jr, por exemplo, não teve praticamente autonomia no comando da administração pública. Todo mundo viu que, por trás do seu governo, havia a “mão invisível” das articulações políticas às quais ele era devedor de favores políticos. E, agora, tentam reelegê-lo com um discurso focado nas atividades de um executivo manobrado feitas nos últimos quatorze meses de mandato, no transcorrer do ano eleitoral. De fato, as atividades do setor público, como serviços de saúde e educação, às quais as pessoas estão historicamente ligadas mais como cidadãos que como consumidores, têm aqui um papel importante por afetarem a legitimidade do governo. Na política municipal orientada para o mercado, esses domínios tornam-se, na visão de Colins Leys, pontos de ignição, porque também são alvos do capital global.
O município de São Luís tem muitos desafios que não podem ser enfrentados com uma política viciosa focada no superfaturamento de produtos e serviços públicos, na licitação manipulada por empresas vinculadas aos gestores públicos por laços de amizade e no fatiamento da administração pública por grupos de interesses. Quando acompanhamos a evolução política nessas esferas a partir da década de 1980, com a retomada da democracia, percebe-se que o que vem acontecendo na política pública brasileira não é possível explicar em termos das iniciativas deste ou daquele político ou, ainda, empresário, mas nasce de uma nova dinâmica política que resulta da globalização econômica.
Isto não quer dizer que o Estado tenha se tornado impotente, mas que é forçado a usar seu poder para promover o processo de mercadorização por várias razões, entre essas razões estão a corrupção e a política de interesses partidários e individuais de grupos e pessoas.
Enfim, as mudanças prometidas por todos os candidatos das quatro cidades da Grande Ilha, isto é, São Luís, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, vislumbram uma lógica em que os pretensos “modernizadores” políticos necessariamente têm que ter plena consciência de que a base social da política mudou. A mentalidade dos eleitores não é mais a mesma de alguns anos atrás. Isso graças a avanços socioculturais que conquistaram crescimento rápido no âmbito da vida moderna: renda, poder de consumo, erosão das fronteiras tradicionais entre classes, “midiatização” intensa da política e a penetração dos valores éticos e comerciais na vida cotidiana.
Os eleitores da classe trabalhadora, pelo que parece, estão saindo dos “currais” da velha política com seus vícios tradicionais. O voto desses eleitores parece estar mais livre de pressões de cabrestos. Os “estatutos” políticos e psicológicos foram reescritos na consciência das pessoas. O efeito dessas mudanças alterou a pressão das forças do mercado sobre a política nacional e, hoje, está mais excepcionalmente aberta e eficaz. As lideranças comunitárias estão mais atentas para reagir a qualquer tangência da política coercitiva travestida de democracia.
Para avaliar completamente a importância disso, precisamos estudar pontos específicos da política de mercado, que é um campo fascinante mas que é muito negligenciado pelos eleitores. Por isso, a pressão da ideologia neoliberal, como acabou de ocorrer com Dilma Rousseff, é grande e, com suas investidas antidemocráticas, surte forte efeito no âmbito da sociedade em geral. Por conta disso, os mercados não são impessoais nem imparciais, mas sim altamente políticos e inerentemente instáveis.

Finalmente, senhoras e senhores candidatos, pensem numa coisa: a máquina pública não é empresa particular para que os gestores a dirijam como mercadorização dos negócios públicos à obtenção de lucros. Não destruam as esferas da vida pública que envolvem todos os inocentes eleitores. Pois delas dependem a solidariedade social e a democracia ativa.