quinta-feira, 3 de maio de 2012

CPI DA PISTOLAGEM

Não basta fazer CPI
É preciso criar política pública para conter a cultura da criminalidade
Por BATTISTA SOAREZ
Fonte: O Imparcial
Segundo o Jornal O Imparcial, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar crimes de pistolagem ocorridos recentementes no estado do Maranhão, oficializada nesta quarta-feira (2), pelo deputado Bira do Pindaré (PT), está ganhando corpo. Saiba mais... CPI da pistolagem já tem onze deputados a favor.
 
Na sessão desta quinta-feira (3), dez deputados estaduais já assinaram o pedido de CPI. São eles: o próprio Bira do Pindaré (autor do pedido), Othelino Neto, Marcelo Tavares, Valéria Macedo, Zé Carlos do PT, Gardênia Gonçalves, Luciano Leitoa, Eliziane Gama, Neto Evangelista e Chico Gomes.

Para que o pedido seja encaminhado à Mesa Diretora da Casa Legislativa e se torne uma CPI, o documento precisa contar com, pelo menos, 14 assinaturas.

Bira do Pindaré espera que mais colegas ainda assinem o pedido. Os parlamentares que podem constar na lista são: Eduardo Braide, Cleide Coutinho, Carlinhos Amorim e Graça Paz. Caso eles assinem ainda nesta quinta, o pedido pode ser procotolado e a CPI oficializada.

Mas se não fizerem até o fim da tarde desta quinta, a CPI pode ser instaurada somente na próxima semana.
Não é de hoje que o crime corre solto no Maranhão. Matar pessoas, inclusive inocentes, já até virou cultura no estado. Uns matam, outros morrem. E ninguém é capaz de fazer alguma coisa. Até porque quem poderia fazer algo (os políticos, o judiciário e as instituições defensoras dos direitos) estão parece estar comprometo até o pescoço.

Os jornalistas, que é a única classe que realmente faz justiça neste país, estão morrendo a cada vez que tenta defender a vida e os direitos dos cidadãos. O que tem predominado, de fato, é só o medo, a insegurança e absoluta converdia de matar, matar, matar, matar....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Utilize sua conta no Google (orkut, gmail) para postar comentários, ou a opção anônimo.