sexta-feira, 4 de março de 2016

AEDES AEGYPTI

APENAS UM MOSQUITO
Para causar pânico em tanta gente
Battista Soarez

Nasci e cresci ouvindo um ditado popular meio ingênuo que para nada mais serve senão para subestimar, erroneamente, a capacidade de quem é menor no tamanho mas, por vezes, monstruoso nos seus resultados e efeitos. “Ai do menor que o maior engolir”, dizia o ditado.
Lembro-me de que meu pai, um homem analfabeto, rude, reagia a esse ditério da seguinte maneira:
Capacidade não se mede pelo tamanho dizia ele.
Certa vez ele foi mais além, diante de uma teimosia da minha mãe acerca do cuidado de tomar água filtrada. No interior, normalmente a água potável é retirada de poços artesanais. Cristalina e fria, as pessoas costumavam bebê-la sem que ela passasse pelo processo de filtração. Numa leva dessas, meu pai alertou a família de que não era seguro beber água que não fosse tratada por causa de germes e bactérias. Mamãe, então, usou o tal ditado de que “coitado do menor que o maior engolir”.
Não é bem assim rebateu meu pai. O pior inimigo é aquele que a gente não vê.
Nos últimos tempos, a mobilização no combate ao mosquito Aedes aegypti tem sido intensa. O inseto é sutil, camuflado e praticamente invisível. Nunca se sabe a hora em que ele chega e pica uma pessoa. Além disso, segundo especialistas, a picada dele não dói, não arte, não incomoda e não deixa nenhuma coceira. Apenas pica e vai embora, invisível no meio de um universo de obscuridades, interrogações e doenças.
E assim acontece. Apenas um mosquito para incomodar tanto. Apenas um mosquito é capaz de aterrorizar o país inteiro. Apenas um mosquito, um minúsculo inseto, para matar tanta gente, causar doenças em bebês e provocar tantas desgraças. Meu pai tinha razão: “o pior inimigo é aquele que a gente não vê”.
O tal mosquito é transmissor de dengue, Chikungunya e Zika vírus. O significado do Aedes aegypti é esquisito e assustador: “a praga que vem do Egito”. Este é o seu significado. Nos tempos bíblicos, lá no velho mundo, a praga do Egito era capaz de matar. Milhares de pessoas morriam. Todos temiam. Temiam porque, se vinha do Egito, a “coisa” era feia e pavorosa porque vinha acompanhada de morte. Deus nos livre e guarde.
Agora, a informação que se tem é de que “a praga que vem do Egito” chegou às escolas do sistema estadual de ensino do Maranhão, onde o assunto tem sido tema de trabalho nas salas de aula da comunidade escolar. No Centro de Ensino Dorilene Silva Castro, no Coroadinho, em São Luís, os alunos se mobilizaram para pesquisar e entender a praga.
O objetivo da ideia é conscientizar a população para a importância na prevenção e no combate ao mosquito, assim como elaborar projetos de caráter pedagógico e de sensibilização dos moradores. O tema é interessante: “O Dia ‘D’ de Zika Zero na escola”. O projeto “Zika Zero” tem acompanhamento de pais, professores e, ainda, de representantes do governo do Maranhão.
Os estudantes procuram não economizar criatividade. Vestem-se de mosquito, de agentes de saúde e de donas de casa. Na encenação, apresentaram paródias e peças teatrais, cuja temática aborda o mosquito Aedes aegypti e as doenças que ele transmite.
Eles abordaram a importância de abrir as portas das casas para receber os agentes de saúde e ficar atentos às orientações repassadas pelos profissionais, especialmente os cuidados para evitar que o quintal se transforme em criadouro do tal inseto.
Na última quarta-feira, estudantes e professores fizeram um mutirão para limpar a área no entorno da escola e levar informação à vizinhança. As ações nas escolas contra o Aedes aegypti têm a coordenação da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), por meio da Secretaria Adjunta de Projetos Especiais.
No município de Esperantinópolis, na regional de Pedreiras, estudantes dos Centros de Ensino João Almeida e Antônia Corrêa fizeram passeatas. O objetivo é conscientizar a população sobre a importância de eliminar os focos do maldito mosquito.
Na região da Baixada Maranhense, no município de São João Batista, o medo do mosquito também motivou uma mobilização nas escolas. Marcaram o encontro para o dia 1º de março, no auditório da Colônia de Pescadores, onde discutiram várias possibilidades de combate à praga.
No Maranhão, uma ‘armadilha’ foi criada para o mosquito Aedes aegypti. Usando materiais simples, o pesquisador e professor universitário Weverson Almagro testa um sistema batizado como ‘mosquitoeiro’ confeccionado simplesmente com garrafa plástica, fitas isolante e adesiva e um pedaço de tela. Almagro é professor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA), do campus Maracanã, em São Luís (MA). Ele acredita que o sistema possa levar a bons resultados na prevenção e no combate ao mosquito transmissor da dengue, da febre Chikungunya e do vírus Zika.

Enfim, apenas um mosquito! Apenas um mosquito para adoecer o país inteiro. E a situação do Brasil é grave. É grave, inclusive, do ponto de vista do “zika vírus” político. O “zika vírus” político já afetou a economia do país, a educação, a saúde, o setor agrário e, enfim, toda a estrutura socioeconômica da nação. Agora, só resta discutir o que fazer e como fazer para impulsionar o Brasil a ser a potência econômica que ele nunca foi. Nunca foi porque o “zika vírus” da corrupção política nunca permitiu. E, pelo visto, está cada vez mais difícil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Utilize sua conta no Google (orkut, gmail) para postar comentários, ou a opção anônimo.